Kangyur Rinpoche
Vida de Kangyur Rinpoche

Kyabje Kangyur Rinpoche

Longchen Yeshe Dorje nasceu em Kham, no Tibete oriental, em 1898. As suas qualidades espirituais tornaram-se patentes desde a infância. Estudou com alguns dos maiores Mestres espirituais do seu tempo, tais como Jedrung Rinpoche Trinle Jampa Jungne (ele próprio um discípulo de Jamyang Khyentse Wangpo e de Jamgön Kongtrul Lodro Thaye) e Jamgön Mipham Rinpoche. Longchen Yeshe Dorje foi um grande erudito e um Tertön, ou seja, um descobridor de tesouros espirituais. Uma das suas actividades mais extraordinárias foi a transmissão oral do Kangyur, o cânone das escrituras Budistas que consiste em mais de uma centena de volumes, o que fez por mais de trinta vezes. Por esta razão, passou a ser conhecido como Kangyur Rinpoche.

A vida de Kyabje Kangyur Rinpoche teve dois períodos distintos. A primeira metade foi dedicada ao estudo e à prática. A sua diligência no estudo não tinha paralelo e tornou-se uma autoridade respeitada não só em relação aos ensinamentos de todas as escolas do Budismo Tibetano, como também em relação a muitas outras áreas do conhecimento, tal como a Medicina (Kyabje Kangyur Rinpoche era médico), a astrologia e as ciências naturais. Em paralelo, Kyabje Kangyur Rinpoche combinava a enorme erudição com uma grande disciplina na prática espiritual adquirida após longos retiros. Estas qualidades levaram-no, desde muito cedo, a Abade do mosteiro de Riwoche, em Kham, um importante centro da tradição Rime, não sectária, onde eram praticadas as linhagens Nyingma e Taklung Kagyu do Budismo Tibetano. No entanto, optou por deixar o mosteiro, preferindo a vida de eremita através do Tibete e da região dos Himalaias, recebendo ensinamentos preciosos e coleccionando raros livros e manuscritos.

A Família (esq para dta):
Pema Wangyal Rinpoche, Chökyi-la, Ama-la,
Rigdzin-la, Yangchen-la, Rangdröl Rinpoche.
Ao centro Kangyur Rinpoche. Em baixo, Dawa-la,
Diki-la (filhas de Rigdzin-la) e Jigme Khyentse Rinpoche

No segundo período da vida, Kyabje Kangyur Rinpoche casou com Jetsün Jampa Chökyi (Ama-la), com quem teve seis filhos (por ordem de nascimento): Rigdzin-la, Yangchen-la, Taklung Tsetrul Pema Wangyal Rinpoche, Chökyi-la, Rangdröl Rinpoche e Jigme Khyentse Rinpoche.
Este período caracterizou-se por uma enorme humanidade e dedicação aos outros, em particular aos mais necessitados, como os doentes, idosos e órfãos, bem como à transmissão de preciosos ensinamentos espirituais. Prevendo a invasão do Tibete, Kyabje Kangyur Rinpoche deixou o Tibete com a sua família e com uma colecção de livros de inestimável valor antes de 1950, e instalou-se em Darjeeling na Índia, onde fundou o mosteiro Orgyen Kunzang Chokhörling. Foi um dos primeiros grandes Mestres Tibetanos a aceitar estudantes ocidentais e a expressar o desejo de estabelecer centros no Ocidente.

Mosteiro Orgyen Kunzang Chokhörling,
em Darjeeling

imagem do interior


Kyabje Kangyur Rinpoche foi também um escritor prolífico, sendo uma das suas maiores obras A Quinta-Essência das Três Vias (traduzido do Tibetano para Inglês pelo Grupo de Tradução Padmakara e publicado por Shambala, 2001), que comenta o texto Tesouro de Preciosas Qualidades de Rigdzin Jigme Lingpa. Este comentário é considerado um guia indispensável para todos os que tenham interesse genuíno no Budismo. Outro dos trabalhos seminais de Kyabje Kangyur Rinpoche é o seu comentário ao texto Carta a um Amigo, de Nagarjuna (traduzido do Tibetano para Inglês pelo Grupo de Tradução Padmakara e publicado por Snow Lion Publications, 2006).
Muito mais do que estas breves palavras podem expressar relativamente à sua vida e actividade, a existência de Kyabje Kangyur Rinpoche foi um paradigma perfeito sobre a forma de integrar os ensinamentos do Buda na vida diária.
Actividade no Ocidente

Stupa em Chanteloube

Após a morte de Kyabje Kangyur Rinpoche, a sua família mudou-se para a Dordogne, em França, de forma a dar corpo às aspirações do Mestre. O seu filho mais velho, Pema Wangyal Rinpoche e a sua família fundaram a Songtsen, que inclui o Centro de Estudos Tibetanos de Chanteloube, o Grupo de Tradução de Textos Tibetanos Padmakara e o Projecto Siddharta, que dá apoio a várias escolas e mosteiros na Índia e no Nepal (http://www.songtsen.org).

Alguns livros e textos
traduzidos pela Padmakara

Projecto Siddhartha.
Pema Wangyal Rinpoche com crianças.


Desde os anos 80, sob os auspícios da Songtsen, um grande número de estudantes tiveram a felicidade de receber e praticar os ensinamentos dos mais reputados Mestres do século XX, incluindo S.S. Dalai Lama, S.S. Sakya Trinzin Rinpoche, S.S. XVI Karmapa, Kyabje Dilgo Khyentse Rinpoche, Kyabje Dudjom Rinpoche, Kyabje Trulshik Rinpoche, Kyabje Tenga Rinpoche, Nyoshul Khenpo Rinpoche, entre muitos outros. Em França, sob orientação de Pema Wangyal Rinpoche, Jigme Khyentse Rinpoche e Rangdröl Rinpoche foram implementados programas de retiros tradicionais de 3 anos e, mais recentemente, de retiros paralelos periódicos, em que os ensinamentos são ministrados a estudantes que mantêm vida profissional activa.

Jetsün Jampa Chökyi (Ama-la),
esposa de Kyabje Kangyur Rinpoche

A ligação da família de Kyabje Kangyur Rinpoche à Península Ibérica e, em particular, a Portugal, é mais recente. A intervenção de Pema Wangyal Rinpoche foi essencial para promover a vinda de Sua Santidade o Dalai Lama a Portugal em 2001 e 2007. A partir de 2002, a família de Kyabje Kangyur Rinpoche começou a viver por longos períodos em Portugal e, em Fevereiro de 2004, a sua esposa, Jetsün Jampa Chökyi , faleceu no Algarve. Em Portugal, foi criada em paralelo por Pema Wangyal Rinpoche a Songtsen - Casa da Cultura do Tibete, que dá particular atenção à promoção da paz mundial, à preservação da cultura e dos valores Tibetanos e à harmonia inter-religiosa.
 
© Fundação Kangyur Rinpoche 2015